AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

CERTIFICAÇÕES CLIENTES FALE CONOSCO
Para compensar redução da mão de obra, fábricas chinesas usam robôs
Para compensar redução da mão de obra, fábricas chinesas usam robôs
23/08/2016
Uma fábrica chinesa perto de Xangai está recorrendo a um novo tipo de trabalhador para manter sua vantagem competitiva na montagem de dispositivos eletrônicos: pequenos robôs projetados na Alemanha.

O presidente do conselho de administração da Suzhou Victory Precision Manufacture, Yugen Gao, diz que os dias em que a companhia extraía sua força da mão de obra barata e esforçada da China acabaram.

-Estávamos perdendo essa vantagem nos últimos três anos- diz Gao em sua sala com vista para as fileiras de prédios onde um batalhão de robôs produz teclados para computador.

O apetite da China por robôs industriais feitos na Europa, está crescendo rapidamente, uma vez que o aumento dos salários, o encolhimento da força de trabalho e mudanças culturais empurram mais empresas chinesas para a automação. Os tipos de robôs preferidos pelos fabricantes chineses também estão mudando, já que a automação está se espalhando de segmentos da indústria pesada, como a fabricação de automóveis, para outros que exigem robôs mais precisos e flexíveis, capazes de manipular e montar produtos menores como eletrônicos e roupas.

A corrida para a compra de robôs acontece em parte porque a população de trabalhadores da China com idades entre 15 e 59 anos começa a encolher, forçando as empresas a recorrerem à automação. A Organização das Nações Unidas (ONU) estima que o número de trabalhadores do país atingiu o pico em 2010, com mais de 900 milhões, e que esse número vai cair para menos de 800 milhões até 2050.

Em 2013 a China tornou-se o maior mercado mundial de robôs industriais, superando toda a Europa Ocidental, segundo a International Federation of Robotics. Em 2015, as empresas chinesas compraram cerca de 67 mil robôs, cerca de um quarto das vendas globais, e a demanda deverá mais que dobrar para 150 mil robôs por ano até 2018.

Em uma conferência sobre pesquisas em robótica realizada em Estocolmo em maio, companhias como a Kuka e a ABB da Suíça exibiram robôs leves com braços ágeis, capazes de manipular ítens tão pequenos quanto tampas de garrafas.

No ano passado, a ABB lançou uma versão de dois braços de seu robô YuMi, um peso-leve projetado especialmente para o mercado chinês. Ele tem capacidade para montar partes eletrônicas de painéis de automóveis, relógios de pulso e óculos.

O YuMi, que é fabricado na Suécia e em uma fábrica-irmã de Xangai aberta há uma década, foi projetado como um robô colaborativo, o que significa que ele é pequeno e seguro o suficiente para compartilhar as linhas de produção com os seres humanos e não exige uma gaiola protetora, como é o caso de muitos grandes robôs industriais.

Nos últimos cinco anos a China tornou-se o maior mercado da ABB para clientes de robótica, de acordo com Steven Wyatt, diretor de marketing e vendas da companhia. Segundo ele, a China originalmente começou adotando a automação em massa como resposta às preocupações com a qualidade dos produtos fabricados no país. Mas agora, as fábricas chinesas - incluindo as que produzem bens de consumo - estão comprando robôs para preencher vagas que de outra forma estariam abertas, por causa da elevada taxa de rotatividade no trabalho.

-Pode ser difícil de acreditar, mas apesar de ter 1,3 bilhão de habitantes, a China não encontra pessoas suficientes para fazer o trabalho nas fábricas= diz Wyatt.

Outro fator é o custo. As tecnologias robóticas, que antes eram proibitivamente caras, estão hoje baratas o suficiente para serem acessíveis às fábricas chinesas.

A Suzhou Victory, que monta laptops para a Dell e a Lenovo, e relógios inteligentes para a Fitbit, começou a aumentar seus investimentos em robôs há dois anos, motivada pelos ciclos de produto mais curtos, aumento dos salários e uma maior rotatividade dos trabalhadores, especialmente após as férias anuais perto do Ano Novo Lunar. Neste ano, a fabricante firmou um acordo com a Kuka para a compra de 160 robôs de braços articulados. -Precisamos considerar o investimento em robôs para que a companhia possa sobreviver por mais tempo- diz Gao.
The Wall Street Journal
ISO 9001

Trabalhe Conosco

Rua Cabreúva 427, Jd. Leocádia - 18.085-340 - Sorocaba/SP | MAPA

152101.6100

Executa - Gestão de Internet